Total de visualizações de página

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Fim de um ciclo

Amparada por um par de muletas encontramos novamente a mãe de Marianna, que tinha acabado de chegar do pronto socorro. Ela falou "até babar", que Marianna ia se arrepender amargamente no futuro, por ter feito aquela tatuagem. Bem, lembrem-se que estamos no ano de 1996. Hoje em dia a tatuagem se popularizou bastante. Artistas da TV exibem suas tattos por aí, cantores, modelos, jogadores de futebol completam os adeptos dessa arte que começou com povos muito antigos que pintavam o corpo para lutar. Até muito pouco tempo tatuagem era sinônimo  de presidiário, bandido, prostituta, e por aí vai. 
Mas triste mesmo ficou o pai de Marianna quando soube da notícia. Mesmo tendo se separado de sua mãe, Marianna nunca deixou de amar o pai. Seu velho pensava que Marianna poderia ser reprovada em algum concurso público. Mas Marianna nunca pensou em entrar para a polícia militar ou o corpo de bombeiros. 


Uma pessoa se tatua por vários motivos. O motivo de Marianna foi de pelo menos uma vez na vida, fazer valer a sua vontade. Ela estava cansada de ser uma marionete nas mãos de sua mãe. 
Mas ao contrário do que imaginou, fazer dezoito anos não mudou muito sua situação. Economicamente falando ela era ainda muito dependente de sua mãe. Morava em sua casa. Ajudava nas despesas, sempre que podia, mas a quantia que ganhava era tão irrisória, que dificilmente conseguiria se manter sozinha. 
Concluir o segundo grau também não era garantia de um futuro promissor e cursar uma universidade era um sonho que ia ficando cada vez mais longe. Hoje em dia, as faculdades são tantas. Há tantos cursos e opções. Só não estuda, quem não quer. Naquele tempo como uma filha de uma operária, divorciada, iria conseguir fazer um curso superior.  
Com o fim das aulas Marianna se viu finalmente livre, com a noite toda para ela. Não teria mais que matar aula toda quinta-feira para ir à Feirinha. Poderia ir sempre que quisesse. Em uma noite que estava na Feirinha com sua amiga Margarida, Marianna conheceu um DJ que fazia um som toda sexta-feira em uma boate que tocava rock dos anos 80. Ele estava cercado por meninas que o idolatravam, mas ele escolheu Marianna para presentear com  cortesias para entrar de graça na boate. 




Sempre que ia na Feirinha, Marianna tinha no bolso somente a grana para pagar o ônibus e um maço de cigarros. Chegando lá encontrava seus chegados, juntava uns reais de cada um, comprava uma garrafa de vinho e bebia até ficar legal.  





35 comentários:

  1. Nossa, achei muito interessante a história. Corre num ritmo bom e dá a curiosidade e saber mais.
    Quando puder, vou voltar e ler os outros capitulos.
    Parabéns! Continue assim!

    ResponderExcluir
  2. Eu lembro quando era nova e meu pai me olhou com nojo por 4 dias enquanto houve um chupão no meu pescoço. Penso como será quando eu reencontra-lo, agora que tenho o braço fechado de tatuagem

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da história, é um livro?
    adorei o nome do blog tbm ;*

    ResponderExcluir
  4. É uma série de post. Este é o 11º capítulo.

    ResponderExcluir
  5. Bia, sua série tá legal!! Posso dar uma sugestão? Poderia ter uma sinopse disponível, assim quem chegar no meio da série não fica perdido sobre os acontecimentos anteriores.

    ResponderExcluir
  6. ritmo bacana esse, diferente isso que vc faz!!!


    parabéns!

    O melhor blog do meu .... Bairro!!!
    http://blogdocharque.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelo seu comentário no meu blog. Concordo com o "consumismo desenfreado", acho que estamos vivendo mais e mais essa grave problema e os jovens não estão dando conta disto. Gostei do seu blog, Parabéns! É claro, estou seguindo.

    ResponderExcluir
  8. Pensei que fosse algum artigo nas primeiras frases mas é um texto e muito bom... Parabéns, garota! :D

    []'s
    www.blog.avoado.com

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante o ritmo desta sua série...
    Bem atual, com temas abrangentes... Cada vez melhor!

    ;D

    ResponderExcluir
  10. Adorei!!Muito interessante, faz a gente querer ler mais e mais !!Vou ver os outros capítulos!Bj

    ResponderExcluir
  11. O texto é meu sim. Cada palavra dele também!

    ResponderExcluir
  12. SEmpre bom voltar aqui e reler seus textos... eles tem personalidade e profundidade!

    ;D

    ResponderExcluir
  13. Eu bem que compreendo a Marianna!
    Também tenho 18 anos! rsrsr
    E ao ler o post anterior a este consegui relembrar sensações que tive ao chegar nesta idade... De fato, é estranho, de repente você cria azas, mas ao mesmo tempo sua família se encarrega de amarrá-las! ou seja, uma falsa 'freedom'!
    ^^
    Congratulations dear, I really enjoyed this blog!

    ResponderExcluir
  14. O estilo de sua escrita eu curti geral, é meio "musical".

    ResponderExcluir
  15. Cara, adorei!
    Seu blog é mtt bom! Se virar livro, comprarei ;)
    As histórias são envolventes, não dão preguiça.
    "Ela estava cansada de ser uma marionete nas mãos de sua mãe."
    Talvez esse motivo seja um dos principais no mundo: rebeldia, ou uma quase rebeldia.
    bjinhoss

    ResponderExcluir
  16. sempre que tu comentava no meu blog eu passava e olhava o seu. não comentava, ficava esperando as próximas postagens. Bom, o que vou falar parece ser o que o pessoal está falando. Daria uma boa mini série, um curta, pensa nisso. Marianna ficaria agradecida haha!

    http://umdiaentenderei.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Essa Mariana, apesar da vida ser difícil, é normal para a maioria dos brasileiros, temos que lutar sempre...

    òtimo blog, sua escrita ma atrae...

    Estou lhi seguindo, se poder retribuir fico grato.

    G7 Notícias: http://g7ceara.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Me realizei quando li sobre a tatuagem. Pelo menos uma vez na vida fazer sua vontade! ;)

    Gostei do texto, parabéns

    ResponderExcluir
  19. voce escreve MUITO bem, adorei a postagem

    parabens pelo blog.

    http://umpoucodelixotoxico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Muito bom o post....me interessei...vou procurar ler os outros tbm! Da onde veio a idéia de criar?

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pelo blog muito bom....Bom texto...quando começei a ler fiquei com preguiça mas deu muita curiosidade de continuar lendo...parabénS!!!! Já estou te seguindo....


    Segue o meu tbm...
    http://doonada.blogspot.com/


    Abraços...

    ResponderExcluir
  22. Muuuuito foda, cara!
    Texto bom de ler, li umas 3x

    Se puder retribuir:
    http://entendaque.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Adorei mais esta sua história!
    A forma que vc escreve tem movimentos e isso é mto bom =)
    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. Vida dela é meio parecida com a minha: SEM GRANA!

    ResponderExcluir
  25. já pensou em escrever um livro kra? percebi q vc adora uma ficção e escreve mto bem dentro disso

    abç

    http://mikaelmoraes.blogspot.com

    visite-nos e comente tmbm, gostando siga e avise no comentário deixando o link q retribuiremos

    ResponderExcluir
  26. Na verdade não é uma ficção e sim uma história real!

    ResponderExcluir
  27. mt legal o seu blog
    http://planetahuumor.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  28. A história de Marianna está me deixando curiosa.

    E assim continua... Risos...
    Eu passei por essa fase há um tempinho considerável. hehehe
    A minha experiência não foi uma das melhores, mas tambéms não foi uma das piores. hahhaha

    Abração de NINA

    ResponderExcluir
  29. bem legal essa historia mt lçegal
    parabvens pelo blog
    clikei no anuncio espero que retribua

    http://planetahuumor.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  30. "Mas Marianna nunca pensou em entrar para a polícia militar ou o corpo de bombeiros. " mas não são só esses tipos de serviço público que existe poxa.
    Ashasushusahsau'

    ResponderExcluir