Total de visualizações de página

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Desencontros

Marianna está deitada em sua cama estreita no quarto que divide com os dois irmãos. Nesse momento ela está lendo um livro. Aliás Marianna lê tudo o que cai na sua mão (quando está no banheiro lê até rótulo de shampoo), deixa o livro um pouco de lado e começa a fazer um balanço de sua vida, desde que conheceu os caras da DPT. Os finais de semana tem sido intensos. Com os amigos conheceu vários lugares: Parques, barzinhos onde só se toca rock, outros bairros que Marianna nem sabia que existiam. Mas o melhor de tudo era sentir que estava viva. Com seus amigos ela podia ficar trocando ideias por horas e horas. Assim ela passava a ver a vida de outra forma, por um outro ângulo. 


Recentemente ela pediu para sair da padaria. O trabalho no comércio não é muito legal. Às vezes aparecem uns clientes grossos e mal educados que querem descontar sua raiva em pessoas que eles julgam serem menores. Como Marianna está no final do ensino médio, pensa em conseguir um emprego que pague melhor e que assine a carteira. Um emprego que não a deixe tão cansada a ponto de ter que dormir na sala de aula. Trabalhar e estudar não é fácil. Mas ela precisa. Sua mãe ganha pouco e mal dá para pagar as despesas. Então ela trabalha, para de uma certa forma ser independente. Ter seu próprio dinheiro para comprar o que mais gosta: CD's, livros, revistas de música. E também para sustentar seu vício de cigarro e vinho. Imaginem toda vez que ela for na Feirinha ter que pedir dinheiro para pagar o ônibus! 
Mas a amizade com os caras da DPT não agrada em nada sua mãe, que teme que algo de ruim possa acontecer com Marianna. Ela é pobre e preconceituosa, não admite que os amigos de sua filha residam na favela. Para a mãe, Marianna tem que andar com pessoas melhores financeiramente, pessoas que possam "agregar", ao invés de cinco pés rapados que não tem onde caírem mortos. Marianna discorda e acha que seus amigos são tão bons, quanto qualquer pessoa que tenha grana. 


Nesse dia em questão, quando ela está lendo, seus amigos vão até sua casa. Porém Marianna não os ouve chamarem no portão. A mãe os atende. Eles perguntam por "Sereia". A mãe que detestava o apelido da filha, faz questão de corrigi-los dizendo que "MARIANNA", não estava. E ela ainda diz mais: Diz que sabe que os rapazes moram na favela e picham muro, e se eles se aproximarem de sua filha novamente, pedirá que seu tio que é policial dê uma lição neles, afinal ela ainda é menor de idade. Tem dezessete anos. Os rapazes vão embora assustados e decididos a atenderem o "pedido" da mãe. 
Mais tarde como é quinta-feira Marianna mata aula para ir na Feirinha. Chegando lá encontra com os caras da DPT. Killer vai logo despejando que não queria confusão e avisa que nunca mais conversarão com Marianna. As lágrimas rolam pela face da jovem. O que poderia ter acontecido para que seus amigos a tratassem daquele jeito? Ela fica sem entender e pergunta o que aconteceu. Punk Doido é categórico e fala na lata tudo o que houve no portão de sua casa naquela tarde. Marianna se desespera dizendo que a mãe não tem nenhum tio policial, que é tudo invenção. Mas o mal está feito. Eles não a querem por perto. As namoradas de Mito e Ventania até que tentam defendê-la, lembrando da loucura da mãe de Marianna. Mas o medo fala mais alto.


Marianna chora, sai correndo pensando na maldade da mãe. Pensando que a mãe ganhara mais uma vez. Novamente tinha destruído uma amizade da filha. Marianna entra no bar onde compram bebidas. Pede uma garrafa de vinho. Abre a garrafa e começa a tomar no bico, senta-se na calçada e chora. A mãe pode tudo. Pode ser homossexual, adúltera, violenta, pobre e prepotente. Marianna pode ser só e não ter amigos, é tudo o que sua mãe quer. 


30 comentários:

  1. Que texto forte; gostei muito.

    passe no meu http://katihobbit.wordpress.com/2010/10/11/historia-de-brinquedos/

    ResponderExcluir
  2. A mãe dela é muito chata. Que mulher desagradável.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! Gostei do texto, você escreve bem!
    Parabéns pelo blog!
    Abraço!
    Sucesso!
    http://enricows.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. cruuzes, que mãe ruim essa hein x.x
    minha mãe quase destruiu uma amizade que eu tinha tbm! x.x Hj em dia a minha mãe ama essa minha amiga que na epoca ela não gostava! que coisa louca! eu nem sei o que eu iria fazer se a minha mãe fosse igual a mãe de marianna x.x estou seguindo aquii!

    ResponderExcluir
  5. Seus textos são grandes, mas são muito bons, gostei.

    ResponderExcluir
  6. Não li tudo, mas deu pra perceber que vc tem talento.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Sempre odiei isso: os pais podem tudo, mas nós somos restritos ao mundo que eles querem que vivamos. Chatice!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns por escrever de uma forma tão acessivel, assunto tão forte e importante.

    ResponderExcluir
  9. Parabns mt boa tua historia , blog nice o seu menininha , i esta mt facil de entender dojeito q tem qi ser s2s2 otimo :s

    visita o meu tbm si quiser e se estiver disposta mais é outro genero ;D
    http://jardelestapensando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Acredito que a história não termina aqui né? O jeito é te seguir e acompanhar esta saga da marianna, emocionante.
    parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Boa narrativa, quero uma continuação, ou um relato parecido!

    ResponderExcluir
  12. "é tudo o que sua mãe quer. "
    cara. muito forte seu texto,
    gostei pra caramba.
    parabens pelo blog!

    ResponderExcluir
  13. Seus textos são prolixos na medida certa, são necessariamente fortes, por isso, belos. Gostei demais. Faça-me uma visita :http://eapesardetudosorrir.blogspot.com/ Até, te espero lá.

    ResponderExcluir
  14. gostei!
    texto bem escrito e, pelo menos a mim, soube como prender a atenção.

    Visite: http://paralelocruzado.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  15. belo texto. sao tantas marianas por aí. pessoas comuns que só querem pequenas oportunidades para curtir o que a vida lhes deu de melhor, os amigos. mas nem sempre é possível, sao tantos impecilhos...

    ResponderExcluir
  16. Parabéns pelo blog e pela história!!!!!!

    ResponderExcluir
  17. Eu tbm leio rótulo de shampoo...rs

    http://apenas-daniel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. mto bom o blog, gostei do texto tb...!
    Parabens pelo blog!!

    ResponderExcluir
  19. Parabens :)
    Muitas pessoas passam por isso, de ter uma mãe que não se comporta como mãe.
    Bom texto :B

    se quiser, visita depois http://tailisery.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Nossa,que mãe é essa,rs.
    mas isso realmente existe,uma intromissão absurda e que não ajuda,pelo contrário.adorei *-*

    http://thaynadamascena.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Muitas pessoas passam por isso, de ter uma mãe que não se comporta como mãe.²
    Gostei do post, apesar de ser extenso mas imagens ajudam a interagir com o leitor.

    []'s
    Victor Pagani
    blog.avoado.com

    ResponderExcluir
  22. táa, a companhia pode não ser das melhores, mas pra que tanto preconceito?! Que mãe interesseira e preconceituosa essa, ein?! kkkk X:
    Ficou muito bem escrito, parabéns!

    ResponderExcluir
  23. Conheço um blog bem parecido com o seu.... muito bom, gostei!

    ResponderExcluir
  24. O que seriam das pessoas se não pudessem ler?
    Estranho hein....
    Sucesso com o blog

    http://williamkusdra.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Gamante Aqui! : )

    Seguindo : )

    Segue o Meu

    http://lauraeaca.blogspot.com/

    Obrigada

    Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Que nem ele falou ali encima...
    seus textos são grandes, mas nao cansam!!
    Adorei =D

    Se puder retribuir:
    http://entendaque.blogspot.com

    ResponderExcluir